Construindo uma estratégia de presença digital: Formatos e ferramentas

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

Pensei em escrever este post a partir da minha experiência, mas principalmente por causa do que estou lendo, vendo, ouvindo, estudando e escrevendo sobre formatos e ferramentas para ações em plataformas digitais. A ideia é propor e deixa aberto para colaboração um modelo de plano para uma estratégia para criar, rever ou fortalecer a presença na internet de marcas – incluindo também veículos que investem em seus portais e sites de notícias.

O foco aqui é listar formatos e ferramentas e suas possibilidades de uso pensando em produção, organização e distribuição de conteúdo. A pergunta que desejo instigar é “Será que funciona para sua marca/negócio?”.

Importante: O que a marca/negócio fará no meio digital é fruto de estudos e planejamentos com definição clara dos objetivos que pretende alcançar. Também deve-se pensar no quanto se deseja investir e com qual ou quais públicos deseja interagir. Além de estabelecer a linha editorial para cada formato ou ferramenta, incluindo linguagem e formas de interação.


🧲  Blog

O blog é o canal central de uma estratégia de presença digital. O Google gosta e quem nunca se atentou para a importância do formato, precisa urgentemente rever seus conceitos.

Como escrevi no blog da Vocali:

Não é de hoje que os blogs são considerados peças-chave na estratégia digital das empresas. O livro Blog Marketing, de Jeremy Wright, lançado nos Estados Unidos em 2006 e no Brasil em 2008, já trazia na capa uma frase que definia a importância do formato: ‘Amplie sua capacidade de atingir seu público e crie expectativas positivas com clientes’. A abordagem na época era muito em cima do blog como canal de interatividade da empresa com seus clientes. Era mais um conteúdo de referência e não necessariamente um meio para gerar oportunidades. (…)

Mas com o crescimento dentro do marketing digital das estratégias de Inbound Marketing e marketing de conteúdo, os blogs voltaram com tudo e estão reafirmando sua importância estratégica para atrair visitantes que possam se converter em clientes. Não é errado dizer, inclusive, que a importância dos blogs se tornou gigante, comparando ao que o autor de Blog Marketing pregava quando do seu lançamento.

E não precisa quebrar a cabeça para montar um blog. O WordPress resolve. E por favor, o blog deve estar na mesma plataforma do site da sua empresa e não em um endereço diferente. É blog.site.com.br ou site.com.br/blog!!!

No pacote de conteúdo, junto com o blog, deve-se pensar em ações para geração de leads com ajuda de ferramentas de automação para facilitar o gerenciamento (como a paga RD Station ou a grátis Mautic – esta o pessoal da Serverdo.in explica). Entre as ações, junto com produção de e-books e infográficos – sempre alavancados pelo blog – vale aplicar também formulários que estimulem a participação, com abertura para envio de perguntas, dúvidas…


👍 Redes Sociais

Escrevi no plural, mas poderia ser no singular, não? Estar apenas em uma rede social em vez de espalhar o conteúdo por trocentas plataformas meio que atirando para todo o lado. A bala de canhão naquela rede onde o público está pode ser a melhor estratégia. É um forma de qualificar, como ressaltou a consultora Liliane Ferrari no “aulão” registrado no Mapa Mental #15.

Defendo a ideia de ser seletivo e considerar que menos pode ser mais e não há necessidade de estar em todas as redes. De cara, radicalizaria: preciso mesmo do Facebook? O que tem acrescentado? Pela popularidade, pensaria no Instagram / Stories; pela segunda tela em sintonia com TV, pensaria no Twitter; e pelo comportamento do público pensaria no Pinterest (os argumentos da Liliane me convenceram a avaliar melhor a rede dos pins).

E usaria as redes para gerar tráfego e com política bem esclarecida sobre interação com público.


🤖 Chatbot

Você pode achar chato, sem trocadilho, quando pula uma janela no site ou na rede social querendo interagir. Se temos má vontade com automação no atendimento, tenho certeza que a culpa é das operadoras de telefonia e seus “robôs” com roteiros intermináveis na tentativa de humanizar a conversa. Mas os chatbots podem ser um apoio importante para não deixar clientes e potenciais clientes falando sozinhos.

É uma evolução das famosas Perguntas e Respostas, algo que muitos sites (e não importa o tipo de negócio, precisa ter) ainda não dão a atenção necessária. São as informações básicas que não podem faltar. E conforme as pesquisas com Inteligência Artificial avançam, melhor fica a experiência do cliente na interação com os bots. Caminho sem volta.


🎙️ Podcast

Como dizem os descolados, vivemos o hype dos podcasts. Chamar de “Era de Ouro” é animador, mas também parece aquela história de “novo Pelé”. Ou seja, pode não ser isso tudo, pode não vingar. Mas, na minha opinião, o podcast não corre o risco de virar um “novo Robinho” (ou Neymar?) porque não é espuma. É um formato com bastante consistência, consolidado e com muita história e experiências para contar e ensinar.

O que favorece muito o uso do podcast, além das pesquisas e reportagens validando seu potencial, é o maior uso do áudio graças ao WhatsApp. Outro fator é a facilidade para produzir e distribuir os podcasts. Ficou muito fácil gravar, editar e publicar.

Pode-se recorrer a estúdios e estruturas mais profissionais. Mas existem gravadores ou interfaces com ótimo custo-benefício, além de programas como Audacity (grátis) ou o Audition Audio da Abobe (R$ 90 mês) são práticos e com um pouco de treino é possível aprender a editar episódios com qualidade.

O desafio é pensar no conteúdo que sua marca/negócio tem para contar em formato de áudio. O que dizer? Dicas? Entrevistas? Pode ter periodicidade fixa ou pode ser por temporada. Pode ter duração curta (3min) ou longa (mais de 20min). E pensa no potencial de retorno se o envio do áudio também incluir contatos do WhatsApp.


📧 Newsletter

Uma máxima que sempre aparece nos conteúdos e palestras sobre uso de e-mail: Quantas pessoas você conhece que deletaram suas contas em redes sociais? E quantas fizeram o mesmo com suas contas de e-mail?

Espero você pensar e responder.

Como escrevi  para a Infomídia, o e-mail no marketing digital, assim como o blog, nunca deixou de ser usado, mas também teve um período sem brilho, com sua importância colocada para escanteio por causa do boom das redes sociais. Agora é contato direto com o público, disseram. Só faltou combinar com o cara que inventou o algoritmo do Facebook…

Assim, quando empacotaram o inbound marketing, lembraram do e-mail e mais do que isso, o colocaram como protagonista. Por isso, não ignore o uso de e-mail na sua estratégia de presença digital para interação com diferentes propósitos, mas recomendo começar com a newsletter para divulgação de conteúdos do blog e chamadas para acompanhamento em outros canais (rede social e podcast, por exemplo).

A newsletter serve como ponto de partida para que a marca/negócio estabeleça a comunicação com seus clientes por e-mail. Com a frequência com que aparece a mensagem na caixa de entrada, será possível avançar e desenvolver outras ações como fluxos de e-mail segmentados.


🤳 Relacionamento

Em que pesa as mudanças no Instagram anunciadas pelo Facebook na F8, pode-se incluir numa estratégia de presença digital a observação dos influenciadores digitais. O principal é entender como se dá esse relacionamento para saber se vale a pena o esforço e o investimento.

Eu pessoalmente tenho uma certa resistência e uma certa desconfiança sobre o retorno dos influencers. Gosto do que faz a Renata Diem, aqui de Florianópolis, nos “rolês” gastronômicos que ela faz e compartilha. Mas tem muito exemplo de ação com influenciadores (recebidos, unboxing…) que peca pela falta de espontaneidade e fica complicado de gerar interesse ou engajamento. Talvez nem os fãs comprem o peixe.

De qualquer modo, considerar o relacionamento com influencers deve estar em pauta. Vejo paralelo com o colunista de jornal. Assim como ainda se quer emplacar nota na coluna mais popular da cidade, também se deseja (até mais, quem sabe) emplacar um ou mais stories (com hashtag, localização e menção) no perfil de um influenciador.


Compartilhe nos comentários ideias e links para construir uma estratégia de presença digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *