Um passarinho me contou: A nova onda do Twitter?

Padrão

Desde muito tempo sempre botei mais fé no Twitter que em qualquer outra rede social. Não só pode ser usuário de primeira hora, com conta criada no ano de lançamento, mas por sempre enxergar um grande potencial do microblog para o jornalismo. Sempre repeti que era Twitter + 1. E hoje, mesmo acreditando no maior potencial do Instagram Stories, faço aqui um primeiro registro do que estou observando e considerando uma nova onda twitteira.

Continue lendo

Tendências para o jornalismo no Brasil em 2019

Padrão

Numa iniciativa do Farol Jornalismo e da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), jornalistas e pesquisadores brasileiros produziram análises em que apresentam tendências para o jornalismo e para o trabalho do jornalista em 2019. Confira os 10 temas abordados em “O jornalismo no Brasil em 2019”:

Continue lendo

A melhor rede social de 2018

Padrão

Em 2018, mudei minha rotina em relação ao Facebook. Mantive uma distância e um relacionamento apenas profissional, atendendo demandas de clientes e compartilhando conteúdos do Primeiro Digital. Usei mais o Twitter pelo noticiário e segunda tela, mas na minha opinião, a rede social de 2018 foi o Instagram Stories. Sim, dá para considerar o Stories como uma rede e não somente como uma funcionalidade do Instagram até porque “vou fazer um stories” certamente está entre as frases mais ditas entre os usuários.

Continue lendo

10 assuntos sobre jornalismo, jornalistas e marketing digital para falar em 2019

Padrão

Vamos ficar falando de fake news ou vamos trocar o disco em 2019 e dedicar um bom tempo para tratar de outros temas tão relevantes quanto para o jornalismo, os jornalistas e o marketing digital? Em resposta para a provocação que fiz no post anterior aqui no Primeiro Digital, fiz uma lista de 10 assuntos que eu particularmente gostaria de ver mais discussões e mais gente interessada em trocar de ideias a respeito.

Continue lendo

Fake news: Vamos falar de outros assuntos em 2019?

Padrão

É verdade: o assunto fake news dominou as discussões sobre comunicação, uso de redes sociais e WhatsApp, influência nas eleições e papel do jornalista/jornalismo.

Acredito que seja importante tratar de algo tão nocivo, mas fica sempre a sensação de estarmos enxugando gelo tamanha a complexidade e a proporção que isso tomou. Como pode alguém botar fé e compartilhar tantos absurdos?

E fico pensando o que perdemos, enquanto profissionais da comunicação e do jornalismo, quando nossa atenção fica concentrada num único assunto.

O que deixamos de discutir?

Que problemas deixamos de buscar soluções? Modelos de negócio viáveis para produtos digitais? Novas oportunidades para jornalistas? Novos caminhos para jornais e sites de notícias?

E como pergunto no título do post, vamos falar de outros assuntos em 2019 ou continuaremos no loop das fake news?

Continue lendo

#Migrei: “Me preparei ao buscar formação e ao acompanhar a migração de colegas para o digital”

Padrão

Com passagens pelos principais jornais de Santa Catarina, a jornalista Alessandra Ogeda migrou para o marketing de conteúdo/digital em junho de 2017, logo após deixar a função de comentarista de economia do Grupo RIC (jornal e TV). “A mudança de carreira foi um pouco planejada e um pouco por causa das circunstâncias que se apresentaram”, conta a jornalista, blogueira desde 2007.

Atuando na agência Tekoa, de Florianópolis, Ogeda diz que há vários anos já enxergava outro tipo de comunicação como sendo mais interessante do que o jornalismo tradicional. “A minha visão sobre a comunicação e o papel do comunicador – mais do que do jornalista – começou a mudar quando eu fiz um doutorado na Espanha entre 2006 e 2008”, lembra. Já de volta ao Brasil, em 2010 ela também retornou para as redações. “Naquela época, eu já achava que o digital era um caminho inevitável, mas eu ainda não tinha enxergado a grave crise do jornalismo que se manifestaria pouco a pouco”, analisa.

Na entrevista a seguir, a terceira da série #Migrei, Alessandra Ogeda destaca pontos importantes de sua migração do jornalismo para o marketing de conteúdo/digital.

Leia a entrevista.

Continue lendo

WhatsApp: O estrago vai além das fake news

charge Zé Dassilva Pinóquio Zap
Padrão

A charge do meu amigo Zé Dassilva, que está no Diário Catarinense de hoje, é precisa na referência à reportagem da Folha de S.Paulo sobre o uso de caixa 2 do candidato Bolsonaro para disparo de mensagens falsas pelo WhatsApp. Acredito que o (mau) uso do aplicativo de mensagem traz prejuízos enormes à democracia, mas provoca estragos também no meio digital, especialmente nos veículos regionais, de menor porte.

Continue lendo