segunda-feira, maio 20, 2024
HomeCarreiraChatGPT: De ladrão a gerador de empregos

ChatGPT: De ladrão a gerador de empregos

Contrata-se profissional com experiência e domínio no uso do ChatGPT.

Ainda não vi, mas acredito que logo, logo anúncios como esse fictício acima serão cada vez mais comuns. Ou seja, em vez de roubar, o ChatGPT pode gerar empregos.

Como?

A habilidade de utilizar o ChatGPT será um requisito para a contratação de novos colaboradores. Sim, você leu certo. E não falo na função de “engenheiro de prompt”. Falo do uso do ChatGPT como critério de seleção do mesmo modo que pedem “domínio do Pacote Windows”.

Em um mundo onde a tecnologia e a Inteligência Artificial estão cada vez mais entrelaçadas com as rotinas diárias, faz sentido que o domínio de ferramentas como o ChatGPT tende a se tornar um diferencial no mercado de trabalho.

  • Primeiramente, porque é capaz de auxiliar profissionais em diversas tarefas, desde a redação de textos até a planejamento e desenvolvimento de projetos, sendo uma poderosa ferramenta de produtividade.
  • Além disso, se interessar e saber interagir com o ChatGPT demonstra uma mentalidade voltada para a inovação, perfil atrativo entre empresas que buscam profissionais alinhados com as últimas tendências e capazes de trazer novas perspectivas e soluções.

Por fim, se você está em busca de uma nova oportunidade ou simplesmente deseja se destacar em sua área, recomendo fortemente que invista algum tempo explorando e dominando a ferramenta da OpenAI.

Texto originalmente publicado na minha newsletter agenteGPT [link]

Alexandre Gonçalveshttp://www.primeirodigital.com.br/alexandregoncalves
Jornalista, especializado em produção e gestão de conteúdo digital (portais, sites, blogs, e-books, redes sociais e e-mails) e na criação e coordenação de produtos digitais, atuando no Jornalismo Digital e no Marketing de Conteúdo.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments

Jorge Torres on As capas que “falam”
Vera Lucia Pires Goulart on O suicídio nas redes sociais
Bruno Allemand on O suicídio nas redes sociais
Fábio Célio Ramos on O suicídio nas redes sociais
vivi bevilacqua on O suicídio nas redes sociais
Affonso Estrella on O suicídio nas redes sociais
Luís Meneghim on O suicídio nas redes sociais