Cada vez mais o controle está nas mãos do público

Padrão

Em sua coluna desta domingo no UOL, o jornalista Flávio Ricco escreveu a respeito do novo programa das manhãs de sábado da Globo, que tem estreia prevista para agosto, terá 3h de duração (das 9h as 12h) e contará com seis apresentadores (Tiago Leifert, Zeca Camargo, Ana Furtado, Patrícia Poeta, André Marques e Cissa Guimarães).

Na nota, Ricco destaca uma tendência da TV aberta que tem relação direta com o ocorre no meio digital (conteúdo em tempo real – internet sempre ao vivo -, streaming e on demand – conteúdo na hora em que o público deseja). Não é mais onde nem quando, mas sim como o público consome o conteúdo. E o ao vivo pode ser uma isca importante para fisgar o interesse do telespectador.

Escreve o colunista do UOL:

Com o programa, a Globo aumenta de maneira bem importante a sua carga de “ao vivo” na grade diária. Algo que, na paralela dos investimentos que também acontecem no jornalismo, é visto como absolutamente imprescindível para os dias atuais.

No sistema aberto, de forma muito especial, a apresentação de produtos ao vivo começa a se tornar quase uma obrigação, porque também facilita a interação com um público cada vez mais ligado em diferentes mídias.

Esta tendência do ao vivo já domina a programação dos canais de esportes na TV por assinatura. Os principais – SporTV, ESPN e Fox Sports – têm procurado explorar mais este caminho.

O SporTV vem reforçando os programas ao vivo para complementar o fato de quase que monopolizar a transmissão dos grandes eventos esportivos. Exemplo é o Seleção SporTV, ainda que meio xarope com sua busca frenética pelo Trending Topics do Twitter.

#VamosSubirEssaHashtag?

A ESPN vem emendando programas de debate (o Bate-Bola) ao longo do dia, junto com edições ao vivo do Sportcenter ao meio-dia, no fim da tarde e no fim de noite. Exemplo desta preferência pelo ao vivo foi o cancelamento de programas clássicos como o Loucos por Futebol, que era exibido nas noites de sábado, sempre gravado.

Já o Fox Sports, desde o seu lançamento, oferece um pacote grande de atrações ao vivo, ainda que a maioria dos programas seja de debates com comentaristas um tanto quanto histéricos.

No caso da Globo, esse “olho” no tempo real já estava incluído na decisão de lançar o programete g1 em Um Minuto, grande sacada, indicativo de um caminho possível tanto na convergência TV e internet e quanto na criação de um modelo de negócio que viabiliza o produto digital, e sobre o qual falei aqui no Primeiro Digital.

TV Globo lança boletim de 1 minuto baseado em conteúdo do g1

Veja como foi a estreia do “g1 em Um Minuto na programação da Globo

Sobre o g1 em Um Minuto

Mas se por um lado, o ao vivo ganha status de fundamental na grade com novas atrações além dos jornalísticos, a programação da Globo ainda é dominada pelas novelas. Mais uma começa a ser exibida nesta segunda-feira (8) – será a sexta na programação da tarde e noite.

Será louco o dia que a grade – herança dos anos 70, criada pela dupla Walter Clark e Boni – será quebrada e programas ao vivo dominaram todo o horário nobre da emissora. Uma edição noturna do g1 em Um Minuto já seria algo revolucionário. Viveremos esse dia? Se depender do ritmo em que a internet vai, acredito que sim.

E você, o que acha? Também acredita que seja possível a Globo trocar a novela das 9 por um programa ao vivo?

Deixe seu palpite.

Já conferiu a página Para Contratar?

Você tem alguma informação ou comentário para acrescentar a este conteúdo?

2 comentários sobre “Cada vez mais o controle está nas mãos do público

  1. Excelente matéria, mas fica uma questão básica: qual a opção?

    Sem precisar me alongar…

    Não me refiro aos programas esportivos, os que acompanho, mas de uma maneira geral, quem está “criando” uma referência?

    As opções acabam caindo nas mãos dos “enlatados”, como tenho feito em minha TV com canais fechados…

    Saudações AvAiAnAs!

    André Tarnowsky Filho

Deixe uma resposta