Hiperlocal de verdade não precisa “anabolizar” audiência

Padrão

O Jornal de Santa Catarina, de Blumenau, fez história no jornalismo catarinense. Junto com O Estado e A Notícia formou a trinca de jornalões que mais do que uma cobertura ampla, com sucursais nas principais cidades do estado, também ajudou a formar muitos dos melhores profissionais da nossa imprensa.

Tempos depois, vendido para o Grupo RBS, o jornal passou por profundas mudanças. O apelido Santa ganhou destaque na capa, o formato migrou para o tablóide e a linha editorial virou o foco para Blumenau e região. Virou um jornal hiperlocal e funcionou.

Por isso, sempre lamento quando vejo veículos como o Santa, com uma proposta clara de cobertura do que acontece na cidade onde está localizado, partindo para a “ignorância” em suas versões digitais com assuntos que nada tem a ver com a linha editorial. Vejam a sequência de tweets publicados na noite deste sábado (13).

IMG_20160214_004214

São temas relevantes? Sim, mas estão no Santa por que são relevantes ou por que é uma ação para “anabolizar” a audiência? Ou seja, publica-se tudo o que pode gerar acessos, mesmo indo contra o perfil do veículo. Aliás, prova de que esta é a intenção é que a página inicial do Santa destaca assuntos de Blumenau e não os de fora.

Não acredito neste tipo de opção de audiência pela audiência. Sou sempre a favor de seguir a linha com foco bem definido. Neste caso, sendo hiperlocal e abrindo quando houver realmente um tema relevante de fora, mas que tenha alguma re relação com o local. Eleições, atentados, epidemias… E isso tudo, de preferência, bem organizado, caracterizado como “conteúdo de fora” – um blog ou seção Mundo Brasil, por exemplo, e nunca misturado com as últimas do site.

Você tem alguma informação ou comentário para acrescentar a este conteúdo?