A rede social é cruel, muito cruel (e o jornalismo, irresponsável)

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

Enfim uma boa razão para esconder likes nas redes sociais: você deixa de ver quantos corações são dados para conteúdos que espalham notícias mentirosas ou, pior, tentativas de humor carregas de crueldade e mau gosto. Reduz o mal-estar, ainda que não seja possível “desver”, como se diz por aí, tamanhos absurdos publicados. Foi o que se viu nessa quinta-feira (21) com o acidente envolvendo o apresentador Augusto Liberato, o Gugu.

Desde que a notícia do acidente surgiu no fim da tarde de ontem, as redes sociais, principalmente o Twitter, começaram a propagar informações desencontradas sobre o assunto. Primeiro, sobre a gravidade do estado de saúde, e depois sobre um suposto quadro irreversível do apresentador.

Profissionais da comunicação como o colunista social Amaury Jr. e o comentarista político Reinaldo Azevedo ajudaram a acender o pavio da desinformação – motivada pela pressa ou pela notoriedade de “dar primeiro”? O assunto tomou conta do Twitter com hashtags como “Gugu morreu” e “confirmaram” subindo nos Trending Topics.

Amaury postou e mantém no ar texto que fala que quadro é irreversível, mesmo que período de avaliação, segundo o hospital onde Gugu está internado, em Orlando (EUA), seja de 48h (prazo que termina só nesta sexta). E antes disso, nada poderia ser confirmado.

Já Reinaldo Azevedo, sempre defensor da correção jornalística especialmente em casos como o da #VazaJato, da qual fez parte como parceiro do The Intercept, pisou na bola. Na abertura do É da Coisa, na Band News FM, ele confirmou a morte do apresentador. Voltou ao assunto no fim da edição para se desculpar e reparar seu erro.

Faltou a atenção e o cuidado necessário em situações que envolvem a vida de personalidades. Sem qualquer informação oficial sobre Gugu, o que os usuários das redes sociais fizeram?

Muita gente acreditou, confiou no Amaury e no Reinaldo e outros que foram propagando o que ainda não tinha nenhuma confirmação. Um bom número de usuários, solidários ao Gugu e sua família, comentou lamentando o fato e mandando mensagens positivas pela recuperação.

Mas uma outra parte da rede social preferiu fazer piada de péssimo humor e sem um pingo de respeito. Muitos tweets quiseram fazer graça relacionaram o acidente com quadros de antigos programas do apresentador no SBT.

Outros foram mais longe e pediram para que “levassem” Sílvio Santos e não Gugu – uma tristeza sem fim, o que mais uma vez dá razão para quem acredita que as redes sociais deram voz aos idiotas, como pregou o pensador Umberto Eco. E isso que nem falamos do que deve ter rolado nos grupos de WhatsApp…

Em tempo: Muito boa a forma como William Bonner leu a nota oficial da assessoria de Gugu no Jornal Nacional. Reforçou pontos importantes da nota que desmente a morte e esclarece o estado de saúde do apresentador. Praticamente desenhou para quem recebeu alguma “notícia” diferente do que estava sendo lido por ele.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *