Comunidades locais brasileiras vivem vácuo informativo, por Evandro de Assis

Padrão

Jornais, rádios e TVs locais enfrentam o derretimento das receitas com publicidade (drama estrutural agravado pela recessão econômica nacional) e têm menor margem para cortar custos sem reduzir seu jornalismo. Do outro lado, no mundo digital veículos locais reúnem audiências de baixa escala, com baixo potencial de monetização, via publicidade ou cobrança pelo conteúdo. Na prática, as empresas diminuem drasticamente de tamanho afetando qualidade e abrangência da cobertura jornalística – quando não fecham as portas. É iminente a possibilidade de cidades médias importantes não contarem com o trabalho regular de um jornal diário – ou de redação com ao menos uma dúzia de jornalistas para observar e discutir o cotidiano.

No momento em que “crise” virou lugar comum no Brasil, e que a observação e crítica do jornalismo debruça-se sobre temas nacionais urgentes, a imprensa local declina silenciosamente e o vácuo de informação que fica nem de longe é compensado pelas ainda incipientes iniciativas nativas digitais. (…)

Há um jornalismo novo a ser construído para se reverter o crescimento do vácuo informativo em âmbito local. Provavelmente mais complexo, imerso em mais e maiores dilemas éticos e, pelo menos até agora, sem garantia de viabilidade econômica. Se os jornalistas não se ocuparem dele, alguém o fará.

Leia o artigo completo do jornalista, doutorando e pesquisador Evandro de Assis no site do ObjEthos.

Site do jornal Município Dia a Dia, de Brusque, quadruplica número de acessos no início de 2016

Link

O Município Mais, portal do jornal Município Dia a Dia, registrou aumento de 275% no número de visualizações de páginas no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Google Analytics. A porcentagem mostra, portanto, que as visitas ao site quase quadruplicaram em relação ao mesmo período do ano passado.

O diretor do Município Dia a Dia, Claudio Schlindwein. diz que a mudança de estratégia do Município Dia a Dia também foi fundamental para essa alavancada.

“O jornal tem presença na internet desde 2006. Mas no fim do ano passado nós mudamos a estratégia. Começamos a divulgar muito mais conteúdo na internet e alguns conteúdos com mais rapidez. A quantidade de conteúdo, a qualidade e a credibilidade do jornal, aliados à rapidez, são os ingredientes para que a gente pudesse dar esse salto de audiência em Brusque e na região”, diz.

Leia a notícia completa no site do Município Dia a Dia.

8 destaques do Primeiro Digital

Padrão

Clique nas imagens e confira as sugestões de leitura dos posts mais recentes do Primeiro Digital.

A receita para conquistar a atenção do leitor na internet

Padrão

Em 15 de dezembro de 2010, publiquei no meu blog na época, o Coluna Extra, um post com o título Chegou a concorrência, registrando o lançamento do site do jornal Notícias do Dia, destacando a importância de termos mais canais online na cobertura dos fatos do dia a dia de Florianópolis e região. Escrevi que ainda era cedo para uma análise mais aprofundada do site, mas que já dava para perceber – pelo menos observando as manchetes que estavam na página inicial naquele momento de estreia – que o foco local seria o diferencial do ND Online.

ndonline

Imagem do ND Online em novembro de 2010, quando o jornal passou por uma reforma gráfica e anunciou a chegada do site no mês seguinte

Alguns meses depois, em julho de 2011, pude comprovar esta primeira impressão na prática, ao assumir a gerencia de internet do Grupo RIC e passar a trabalhar direta e diariamente com os colegas de redação do ND. E todo o período em que trabalhei no Grupo RIC, até março de 2015, participando de reuniões de pauta e de coberturas especiais, como a dos atentados aos ônibus em 2012, ou até mesmo na cobertura dos bastidores de Avaí e Figueirense, serviu para cravar que sim, o diferencial do ND Online estava em olhar bem de perto para o dia a dia da cidade.

O jornalismo digital costuma ser alvo constante de debates em torno de suas possibilidades editoriais e comerciais. Há sempre uma novidade, uma nova “verdade”, um “novo Eldorado” para onde, dizem, todos os veículos precisam caminhar. Mas quase sempre levam a lugar algum ou levam de volta ao ponto de partida. O que parece ser a única certeza no universo do jornalismo digital é que o público quer saber daquilo que acontece ao seu redor, no seu estado, na sua cidade, no seu bairro, na sua rua.

O caos do trânsito na entrada e saída da Ilha, a poluição em Canasvieiras, as polêmicas na Câmara de Vereadores, as falcatruas no serviço de táxis, a reforma do Mercado Público, a venda de um jogador de Avaí ou Figueirense, enfim, são assuntos que interessam a mim, a você, à turma do dominó da Praça 15, aos amigos na beira da praia, aos passageiros do Volta ao Morro, ao pessoal que caminha no Parque de Coqueiros, aos amigos do Curió e aos frequentadores do Alvim e da Kibelândia. E na internet, ainda mais porque o público lá não apenas lê como também interage. Ninguém fica indiferente diante daquilo que o atinge de alguma forma – as redes sociais não me deixam mentir.

Neste cenário, os números de audiência são importantes (e lembro, quando ainda estava lá na RIC, do ND Online já ter batido na casa de 4 milhões de visitantes únicos), mas o que se disputa hoje é a atenção dos leitores. Não é mais número pelo número. Há quem diga que isto só é possível quando ocorre alguma tragédia ou com a publicação de notícias ruins e polêmicas. Sim, mas não só, desde que o foco do site seja bem definido, como apostar em conteúdo local. Experimente, por exemplo, publicar uma reportagem sobre “coisas antigas de Florianópolis” para ver o impacto que causará.

Gerar proximidade com o público é a melhor forma de alcançar este objetivo também pelo o que é conquistado a partir disso: empatia e engajamento, o que faz toda a diferença no ambiente digital. Por isso, torço para que o ND nunca perca de vista este foco no local e se consolide cada vez mais como o melhor para a cidade também na internet – editorial e comercialmente. E que isso possa ser festejado diariamente, mas especialmente quando o site do ND também completar seus dez anos de existência.

Nota: Este texto foi originalmente escrito a pedido da redação do ND para o especial de dez anos do jornal, lançado na edição deste fim de semana. Como não foi utilizado, talvez até pelo foco do especial ser a efeméride da versão impressa e o novo site ainda estar em gestação, optei por postá-lo aqui no Primeiro Digital. O especial dos dez anos do ND está no link www.ndonline.com.br/nd10anos (recomendo acessar pelo desktop).

Hiperlocal de verdade não precisa “anabolizar” audiência

Padrão

O Jornal de Santa Catarina, de Blumenau, fez história no jornalismo catarinense. Junto com O Estado e A Notícia formou a trinca de jornalões que mais do que uma cobertura ampla, com sucursais nas principais cidades do estado, também ajudou a formar muitos dos melhores profissionais da nossa imprensa.

Tempos depois, vendido para o Grupo RBS, o jornal passou por profundas mudanças. O apelido Santa ganhou destaque na capa, o formato migrou para o tablóide e a linha editorial virou o foco para Blumenau e região. Virou um jornal hiperlocal e funcionou.

Por isso, sempre lamento quando vejo veículos como o Santa, com uma proposta clara de cobertura do que acontece na cidade onde está localizado, partindo para a “ignorância” em suas versões digitais com assuntos que nada tem a ver com a linha editorial. Vejam a sequência de tweets publicados na noite deste sábado (13).

IMG_20160214_004214

São temas relevantes? Sim, mas estão no Santa por que são relevantes ou por que é uma ação para “anabolizar” a audiência? Ou seja, publica-se tudo o que pode gerar acessos, mesmo indo contra o perfil do veículo. Aliás, prova de que esta é a intenção é que a página inicial do Santa destaca assuntos de Blumenau e não os de fora.

Não acredito neste tipo de opção de audiência pela audiência. Sou sempre a favor de seguir a linha com foco bem definido. Neste caso, sendo hiperlocal e abrindo quando houver realmente um tema relevante de fora, mas que tenha alguma re relação com o local. Eleições, atentados, epidemias… E isso tudo, de preferência, bem organizado, caracterizado como “conteúdo de fora” – um blog ou seção Mundo Brasil, por exemplo, e nunca misturado com as últimas do site.

Jornal Município Dia a Dia, de Brusque, lança plataforma para leitura digital

Link

Um dos jornais relevantes do interior de Santa Catarina, o Município Dia a Dia, de Brusque, cidade do Vale do Itajaí, que fica perto de Itajaí e Blumenau, está lançando nesta terça-feira (3) um novo sistema de leitura digital para tablets e smartphones. “A implantação do sistema é resultado de um planejamento de cinco meses e surgiu de uma necessidade apontada pelo acompanhamento mensal dos acessos no portal Município Mais. ‘Os dados mostram que 30% dos acessos do site do jornal são por smartphones ou tablets. Por isso, quisemos entregar uma melhor experiência para esses leitores’, diz Elton Souza, proprietário da Vitrus Digital, empresa que coordena a implantação do sistema.

Saiba mais sobre a novidade no site de Município Dia a Dia.

Jornalismo e mídias sociais

Padrão

O Facebook me lembrou na sexta-feira que em outubro de 2011 estive na faculdade SATC para falar sobre jornalismo e mídias sociais com jornalistas e estudantes de jornalismo de Criciúma e região, no Sul de Santa Catarina. Na palestra, usando o jornalismo hiperlocal como cenário e como um filão para o jornalista empreender, abordei as possibilidades de uso das principais ferramentas de mídias sociais que estavam em alta na época (blog, Twitter, Facebook, Flickr, YouTube e Storify).

O cenário em termos de ferramentas mudou com a chegada de novas opções como Instagram, Periscope e WhatsApp, além do avanço tecnológico. Mas revendo o material da palestra, acredito que o cenário para empreender apostando no jornalismo hiperlocal ainda esteja no topo da lista de oportunidades para o “jornalista por conta própria”.

Das telas da apresentação, separei algumas para comentar aqui.

Hiperlocal ainda é uma alternativa?

Quatro anos depois eu ainda sou um entusiasta do jornalismo hiperlocal como um caminho para jornalistas e para veículos. Dentro de toda a discussão em torno de modelo de negócio viável para o jornalismo, investir no hiperlocal, como enfatizei nas telas da apresentação na SATC, agrega diferenciais sob o ponto de vista de atrair o leitor. E diria que hoje ainda mais – veja o caso do Informe Blumenau.

A oferta de informação é muito, mas muito maior em comparação com 2011. Tem muito conteúdo pulando por aí e precisando de especialistas para filtrar e apresentar o que realmente interessa e o que faz a diferença no dia a dia do leitor. Redação e comercial podem refletir a respeito.

jor1

jor2

O Editor de Mídias Sociais para fazer a diferença

Lembro de na época da palestra pensar e escrever muito a respeito da forma como meus colegas jornalistas lidavam com as mídias sociais. Via muito oba-oba e pouca noção real do papel do jornalista na relação com Twitter e Facebook, principalmente.

O que se via na época e que se vê muito mais hoje, infelizmente (e graças ao Instagram), é transformar em manchete o que as celebridades publicam nas suas redes. É pouco para o tanto de potencial que as mídias sociais proporcionam. Temos exemplos de mudanças de mentalidade como o Storyful e o recente Vozes, do novo DC, que amplificam o que se diz nas redes sociais fazendo curadoria de conteúdo.

Sobre a função, acredito que as tarefas de um editor de mídias sociais tenham sido incorporadas pelos editores. E veja que as redações precisam de novos editores no expediente como Editor de Integração (para redações multiplataformas) e Editor de Fim de Semana  (para organizar e distribuir o conteúdo para incrementar a audiência nos dias de menores acessos).

jor3

jor4

Continue lendo

Santa Catarina mobilizada mais uma vez por causa da chuva e veículos intensificam cobertura online

Padrão

Cidades de Santa Catarina, principalmente nas regiões do Vale do Itajaí e do Norte, estão em alerta por causa da chuva que castiga o estado desde a última quinta-feira. Em seus canais próprios e seus páginas em redes sociais, os veículos locais e estaduais estão fazendo a cobertura dos alagamentos e quedas de barreiras.

No Diário Catarinense, um mapa mostra as cidades atingidas até o momento pela chuva.

Além do Diário Catarinense, outras fontes de informação sobre a chuva em Santa Catarina:

A Notícia – Joinville
Notícias do Dia – Joinville
Notícias do Dia – Florianópolis
Informe Blumenau – Blumenau
Santa – Blumenau
TV Brusque – Brusque
Município Dia a Dia – Brusque
Diário Alto Vale – Agrolândia
O Correio do Povo – Jaraguá do Sul

(Lista em atualização – acrescente sugestões na caixa de comentários ou pelo e-mail alexandre@primeirodigital.com.br)

No Facebook, as páginas dos veículos está na lista Cobertura da Chuva em SC.

Sobre Facebook, futebol e localismo

Link

Foi publicado nesta terça-feira (29), meu primeiro artigo no Informe Blumenau, o novo portal de conteúdo hiperlocal aqui de Santa Catarina. Atendendo convite do meu xará Alexandre Gonçalves, estarei sempre escrevendo sobre temas relacionados à mídia digital, de preferência, com foco local, como é este primeiro texto que publiquei. Uso dados do mapa das curtidas dos times de futebol, uma iniciativa do GloboEsporte.com e do Facebook, para falar do futebol profissional em Blumenau, que já teve grandes times, mas vive patinando, e da máxima que diz que lá e na região do Vale do Itajaí o pessoal torce mesmo para times de fora, cariocas, paulistas e gaúchos, principalmente.

Leia “Inspiração para curtir o futebol em Blumenau” no Informe Blumenau.