Capas que GRITAM!

Padrão


Por ALEXANDRE GONÇALVES

“Já fui professor de edição de jornalismo impresso. Capas de jornal sempre fascinam por precisar de criatividade, apelo, compromisso com a informação e, sobretudo, poder de síntese. Hoje, o Correio Braziliense colocou tudo isto no lugar certo.”

Gastão Cassel, jornalista, no Facebook


Originalmente, a seção do Primeiro Digital em que compartilho capas de jornais e revistas em alta as redes sociais chama-se Capas que falam  Mas hoje, ao ver a capa e o comentário compartilhados pelo meu amigo Gastão no Facebook, mudei o verbo: a capa do Correio Braziliense não fala, GRITA!

Mas enquanto uma grita, outras nem sussurram! Folha de S.Paulo, O Globo e Zero Hora (mesmo com o Rio Grande do Sul alcançando números alarmantes entre os estados) escolheram “manchetar” economia e não o novo recorde da maior crise de saúde pública da nossa história e o esgotamento das UTIs.


A Folha deu uma manchetezinha no meio da página para o recorde na média móvel.


O Globo chama de catástrofe o que não estoura no alto da página. Deve ser uma “catástrofezinha”, quando muito um “probleminha”.


A ZH fez o pior entre os três. Destaca economia e onde estão os números da pandemia? A foto protocolar da cerimônia na Fiocruz não diz nada. Nem serve para dar esperança.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *