#CCXP2019: O conteúdo digital me levou ao maior evento de cultura pop do mundo

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

Pode não parecer, mas este post é sobre conteúdo digital, segmentação de mercado, engajamento, comunidade, autoridade e modelo de negócio.

Estive no dia 7 de dezembro na sexta edição CCXP, a Comic Con Experience, e que já é o maior evento de cultura pop do mundo. Em 4 dias de evento, 280 mil pessoas, entre fãs de quadrinhos, cinema, séries e games, passaram pelo São Paulo Expo. E detalhe: a CCXP começou na quinta-feira, dia 5, com TODOS OS INGRESSOS VENDIDOS.

Foi o consumo de conteúdo digital que me levou para a CCXP, como destaco no título deste post. O evento é uma criação do pessoal do Omelete, o principal site sobre cultura pop do Brasil. De tanto acompanhar o conteúdo do Omelete, principalmente o canal de vídeo no YouTube, criei hábito e virei fã. Sabe por quê? Por mexeu com minha memória afetiva, com as lembranças dos meus tempos de leitor de gibis Heróis da TV e dos dias em frente à TV para mais uma episódio da Dupla Dinâmica.

Não diria que é um case de marketing de influência, mas sim de conteúdo de referência. Ou seja, a forma como o site aborda assuntos que gosto (especialmente novidades sobre Marvel e DC Comics) e a cobertura ao vivo das outras cinco edições da CCXP, despertaram meu interesse de sair aqui de Florianópolis e passar um dia inteiro circulando pelos corredores do evento.

A CCXP virou um evento de grandes proporções. Enorme, gigante. E, claro, vira um desafio por causa da quantidade de pessoas (tem gente reclamando justamente disso em grupos de Facebook, se dizendo até prejudicado por causa das filas). No meu caso, foram 3 horas de fila para entrar, das 8h às 11h, quando os portões foram abertos.

E depois foram mais sete horas conferindo os estandes de estúdios como a Disney (divulgando animações e Star Wars, com elenco principal, diretor e produtora), Marvel (com foco em Viúva Negra e na presença do chefão Kevin Feige mostrando cenas inéditas do próximo grande lançamento do estúdio, Os Eternos) e Warner, que promoveu principalmente o novo filme da Mulher Maravilha – com o trailer oficial lançado na CCXP e a presença marcante da atriz Gal Gadot, a Mulher Maravilha em pessoa.

Também os serviços de streaming tomaram conta do pedaço. Netflix, Amazon Prime e Globoplay montaram estruturas gigantes e promoveram diversos tipos de ações para divulgar seus filmes e séries.

Um grande comunidade

Eu e a minha parceira de aventura, minha esposa Carla, não quisemos encarar as filas dos painéis. Ficamos pelos corredores curtindo (de verdade) as atrações dos estandes, o desfile de cosplays e a gigantesca diversidade do público.

Tinha gente de todas as idades (muitos pais com filhos – bebês de colo, crianças, adolescentes…), de todas as classes sociais, de todos os gêneros, de todos os estilos e de todos os lugares (sotaques variados no evento e no café da manhã do hotel). Todos com um sentimento muito particular de fazer parte de algo, de uma grande comunidade. Lembrei do Stan Lee e suas histórias sobre a criação de personagens da Marvel.  Adolescente e seus perrengues, jovens e adultos deslocados e sofrendo preconceito

A CCXP, além de ser um evento comercial, é de fato uma celebração de pessoas apaixonadas por cultura pop e que se conectam cada vez mais pelo conteúdo digital (sites, blogs, redes sociais, YouTube…) do Omelete e de  outros canais como Jovem Nerd e Cinema com Rapadura. O grande superpoder desses canais, em especial o Omelete, está em saber captar o sentimento e a paixão do público e dar a ele o que quer. Ou como eles dizem, é fã e quer service. E isso pode vir em formatos e produtos variados.

Modelo de negócio inspirador

É por isso que, além de considerar o conteúdo como referência, sempre considerei o modelo de negócio do Omelete um dos mais inspiradores. O site, que completa 20 anos no ano que vem, deu origem a um grupo e a outros negócios – como a própria CCXP, a loja Omelete Store, o serviço de assinatura Omelete Box e o site de games The Enemy. Souberam e sabem aproveitar o que o conteúdo gerou e ainda fortalecem o Omelete duplamente:

– Viabilizando  financeiramente a produção do conteúdo;

– Valorizando e dando ainda mais autoridade à marca Omelete junto aos consumidores de cultura pop, entre os quais me incluo, além das grandes empresas do entretenimento.

Não é por acaso que a CCXP tenha alcançado prestígio e um resultado tão extraordinário como a compra antecipada de todos os ingressos, a maioria no escuro, sem saber quais as atrações do evento. A presença de gigantes do entretenimento, vinculando suas marcas com a do Omelete, é outro indicador positivo do que vem sendo feito pelo site/grupo até aqui.

Recomendo, principalmente para quem busca um modelo para seu site de conteúdo, que conheça o Omelete, a forma como produz conteúdo, gera negócios e conquista e engaja cada vez mais fãs. Isso explica porque a arena/estúdio de onde o pessoal do Omelete fez suas transmissões ao vivo pelo YouTube, também era uma das atrações mais movimentadas na CCXP.

Pense:

O conteúdo do seu site é capaz de criar um novo hábito?

O seu canal digital tem potencial para gerar produtos e negócios e, por tabela, gerar receita para financiar a produção de conteúdo?

Você consegue identificar uma comunidade em torno do conteúdo que seu site produz e publica?

E o que pode fazer para se tornar referência e engajar essa comunidade?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *