Informação é vida: A importância dos dados sobre a Covid-19

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

A divulgação de dados sobre a Covid-19 tem grande importância do ponto de vista da gestão de uma das maiores tragédias sanitárias da humanidade. É o que deveria em tese nortear as ações de prevenção (como número de leitos e UTIs) e de combate ao novo coronavírus (impor quarentena, apertar o isolamento, conter a aglomeração de pessoas).

Na prática, também é um argumento poderoso para meter “cagaço” nos parentes e amigos que estão se coçando para retomar a vida “normal”. Se a curva ainda não está em queda, está longe disso aliás, a ordem é ficar em casa.

Mas não é assim que pensam (se que é pensam) o Palácio do Planalto e os militares não-médicos que ocupam o ministério da Saúde.

Ao negacionismo da ciência (“só uma gripezinha”) e à falta de empatia (“e daí?”), vemos somado agora um ataque aos dados sobre contaminados e mortos pela Covid-19.

Falta de transparência

Há desde a manipulação “fuleira” de esconder o número de mortes e destacar nas redes sociais apenas o número de recuperados até a retirada do ar do site dedicado aos números da doença – que voltou modificado após ficar “em manutenção”: sem informar mais o número total de mortes e dizendo o número de mortes na últimas 24h (“só mil?”, deve pensar um desavisado).

Imagem

Reprodução

Temos também o atraso na divulgação diária dos números para às 22h, segundo o próprio ocupante do Planalto, com objetivo de “atrasar matéria do Jornal Nacional”.

Sobre isso, além do drible que levou com o Plantão da Globo interrompendo a programação, recomendo a entrevista do professor Carlos Melo, na rádio CBN, veiculada neste sábado. Entre outros pontos, ele acertou em cheio na análise quando questionou sobre o que o governo federal combate: o vírus ou a opinião pública? Ouça a entrevista.

E para piorar, o ex-dono de uma franquia de escola de idiomas está para assumir um cargo no ministério da saúde (tem que mudar esse nome) defendendo a recontagem dos números da Convid-19. Para ter um levantamento mais próximo da realidade é que não será, certo? Dado o histórico dos apoiadores do governo, mais fácil imaginar o uso para ampliar os efeitos nefastos da infodemia, como denunciado pelos profissionais da saúde.

Um dos reflexos de toda essa bagunça que estão fazendo em âmbito federal com os números da pandemia no Brasil veio dos Estados Unidos, conforme reportagem do G1:

Universidade Johns Hopkins exclui Brasil do balanço global sobre coronavírus após governo mudar divulgação do boletim diário

Pensem no impacto que isso pode causar? Como o Brasil poderá participar de esforços internacionais se não comprova o cenário da Covid-19 no país? Os números são importantes, são relevantes, são necessários. Informação é vida!

Fontes para acompanhar os dados

Por isso, se o governo quer sonegar informação, como forma de tentar (em vão) esconder a forma burra, mas principalmente vil e cruel, com que trata a pandemia, recorra a outras fontes (mais) confiáveis de dados sobre a Convid-19. Começo a lista com quatro sugestões.

G1 

O portal de notícias do Grupo Globo tem feito um levantamento nacional diário com base nas informações repassadas pelas secretarias de saúde dos estados. Tem sido a fonte usada pelo Jornal Nacional depois que o Planalto ordenou o atraso na divulgação dos dados do ministério da saúde. Acesse os dados aqui.

Lagom Data

O jornalista Marcelo Soares, especializado em jornalismo de dados, compartilha números sobre os casos de Covid-19 no Brasil em uma página especial no site da sua empresa, a Lagom Data. Além disso, Soares também repassa dados e gráficos diariamente em sua conta no Twitter (@msoares). Acesse os dados aqui.

Importante: como trata-se de um levantamento independente, você pode apoiar financeiramente o Lagom Data. Veja como no Catarse.

Brasil.io [novo]

Um grupo de voluntários compila diariamente os números de casos e óbitos divulgados pelas secretarias de saúde dos estados e do Distrito Federal. Álvaro Justen (@turicas) conta que após o apagão do ministério da saúde houve um esforço de reunir os dados mais rapidamente. Acesse os dados aqui.

Peixe Babel [novo]

Mila Laranjeira e Vivi Mota, criadoras do canal no YouTube Peixe Babel, disponibilizam dados estaduais e nacionais sobre a Covid-19 e além de análises também trazem comparações do Brasil com outros países. Acesse os dados aqui.

CONASS [novo]

O painel da Covid-19 criado pelo CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) nasceu com um objetivo claro:

A ciência, a verdade e a informação precisa e oportuna são fios condutores do processo orientador da tomada de decisão na gestão da saúde.

Assim, disponibilizamos, a partir de hoje, o PAINEL CONASS – Covid-19, atualizado diariamente até às 18h.

Acesse os dados aqui.

Dados Transparentes [novo]

O médico João Ganhar do, ex-secretário-executivo do ministério da saúde (gestão Mandetta) está por trás da plataforma Dados Transparentes. Lançada neste domingo (7), será atualizada de hora em hora com base em informações  secretarias estaduais. Acesse os dados aqui.

Dados sobre Santa Catarina

O NSC Total e o ND+, os dois principais portais de notícias de Santa Catarina estruturaram plataformas especiais para acompanhar a evolução da Covid-19 no estado.

NSC Total

O painel do coronavírus, desenvolvida em parceria com a NSC Lab, traz dados consolidados e atualizados diariamente e permite conferir informações por município clicando no mapa interativo. A plataforma também traz dados nacionais, além de análises  com o objetivo de “tornar didático o monitoramento do avanço de casos de Covid-19 em Santa Catarina”. Acesse aqui.

ND+

O mapa do coronavírus é alimentado pelo jornalista Fábio Bispo, via CatarinaLAB, e utiliza dados da secretaria de saúde de Santa Catarina. Além disso, o mapa mostra também dados nacionais, a partir do que é coletado pelo Marcelo Soares, da Lagom Data, e traz um filtro que mostra o número de internos em UTI no estado. Acesse aqui.


Sua participação é importante

A lista de fontes de dados sobre a Covid-19 no Brasil está aberta para atualização. Além das citadas acima, você conhece outras plataformas que estão fazendo o mesmo acompanhamento? Deixe o link nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *