Vá além do WhatsApp

Padrão

A jornalista, professora e pesquisadora Ana Brambilia compartilhou o post com a lista de dez assuntos que se destacaram em 2015 e fez uma observação interessante em sua postagem no Facebook:

Bela lista do Alexandre Gonçalves. Da minha parte, claro, noto que não consta na lista qualquer tema sobre colaboração no jornalismo. Será que:
(a) já se tornou commoditie?
(b) tentaram e não deu certo?
(c) passou a acontecer naturalmente pelas redes sociais?
(d) putz! o público? de novo?! pelamor…

Li o comentário da Ana e fiquei pensando a respeito. Será que deixei passar algum tema relacionado à colaboração? Pensei nas alternativas sugeridas por ela, mas acabei lembrando de um fator que está atropelando esta questão de colaboração no jornalismo: o “fator WhatsApp”.

Escrevi, em resposta à Ana, que o aplicativo deu uma embaralhada nessa história da colaboração. A ferramenta, ao que parece, basta para os veículos. E não tem muito de pensar em produto com estratégia, modelo. Divulgar o número é o suficiente. Falta até filtro. Basta lembrar o que aconteceu no dia em que a justiça bloqueou o aplicativo em todo o Brasil. Por exemplo, rádios sem outros canais de participação ficaram perdidas e sem as opiniões e informações dos ouvintes.

Ficar restrito ao WhatsApp é um erro. Manter canais próprios e estratégias para estimular a participação e utilizar informações que sejam fruto de colaboração direta do público são ingredientes que não podem faltar na gestão de produtos digitais. Isso ajuda a fortalecer os laços com os leitores/ouvintes/telespectadores, a gerar fidelidade e a construir pontes que tragam mais audiência. É uma forma de mostrar, enfim, quem é (ou deveria ser) o protagonista sempre: o público.

O assunto do ano

Ajude a escolher o assunto do ano no jornalismo digital.

Qual assunto de 2015 você considera o mais relevante?

Veja resultados

Carregando ... Carregando ...

As rádios e a dependência do WhatsApp

Padrão

O bloqueio do WhatsApp no Brasil por 48h, seguindo determinação judicial, a partir da 0h desta quinta-feira (17), causou alvoroço entre os usuários do aplicativo. Como brinquei no Facebook, até parece decisão de juiz que é fã de Star Wars, mas só vai assistir ao filme, que estreia hoje, no fim de semana e quer evitar spoiler.

Mas a verdade é que o WhatsApp ganhou terreno entre os veículos de comunicação como ferramenta de participação do público. E o rádio é disparado o que mais utiliza o aplicativo. E faz bem. A agilidade de um tem tudo a a ver com a do outro. Mas conforme foram adotando o WhatsApp, ainda mais depois do aplicativo ganhar versão desktop, muitas emissoras praticamente abandonaram canais próprios de participação “em tempo real” do ouvindo. Houve a fase do telefone, do e-mail, do chat, do Mural, do Twitter, do Facebook e agora do WhatsApp.

Continue lendo

“Quem não der o passo para frente, vai ficar para trás” (@rosana no @JornalRecNews)

Padrão

Rosana Hermann, pioneira na blogosfera brasileira e referência no meio digital, participou da edição de ontem à noite do Jornal da Record News para falar com o âncora Heródoto Barbeiro sobre as ameaças de regulamentação de aplicativos como Netflix, WhatsApp e Uber. A conversa foi além de críticas a questões pontuais sobre o que órgãos do governo e empresas de telefonia pretendem fazer e traz elementos que ajudam a analisar o atual cenário de consumo de serviços e conteúdo no meio digital e a prospectar o que vem pela frente.

Assista aos vídeos com a participação de Rosana.

O primeiro mostra a conversa que foi exibida na TV.

O segundo vídeo é exclusivo do site do programa no R7 e é de onde tirei a frase usada como título do post.

Vamos andar para frente?

Siga Rosana no Twitter: @rosana

Veja também:

RT @rosana “Um passarinho de contou”

Site de Florianópolis distribui conteúdo pelo WhatsApp desde 2014

Padrão

A cobertura do New York Times pelo WhatsApp da viagem do Papa Francisco  pela América do Sul está chamando a atenção de muita gente, mas o uso do aplicativo de mensagem para distribuição de informações não chega a ser novidade. Pelo menos não para mais de 3 mil torcedores do time do Avaí, de Florianópolis.

Continue lendo