A culpa dos passaralhos é da crise. Mas qual delas?

Padrão

“Nunca se leu tanto jornal”, diz a Associação Nacional de Jornais em sua nova campanha institucional.

“Você está demitido”, responde O Globo, em mais um passaralho que deixou cerca de 40 jornalistas sem emprego.

A culpa é da crise, dizem. Mas qual delas?

Econômica? Mas se temos tanta notícia “apesar da crise”, como pode ser só por causa dessa?

Do mercado? Só no mercado de mídia não tem “apesar da crise”…Ops.

Vai ver a crise está dentro de casa.

dog chasing tail

Crise de gestão?

Ou crise por falta de imaginação, de criatividade, de senso de oportunidade? Crise de identidade?

Quem pensa e faz diferente?

E o pessoal do comercial, cadê?

Pensa em abrir novos mercados? Ou está no “volume morto”, sem entender direito o que está vendendo (conteúdo e não plataforma) nem para quem está vendendo? Sabe com quem está falando? Vai em clientes diferentes ou sempre nos mesmos, todo dia, todo mês?

Um dia o queijo sai do lugar…

Sem jornalista, o slogan da ANJ já pode ser repensado: “Quem ainda vai ler jornal?”.

P.S.: A culpa é da internet…‪#‎sqn‬ (#sqn mesmo porque a campanha da ANJ do “Nunca se leu tanto jornal” vende o peixe de jornais multiplaformas, papel e digital).

Sobre as demissões em O Globo:

De Fernando Molica no Facebook

De Mário Morona no Facebook

 

Terra reestrutura negócio com corte de 80% da redação e fechamento de sucursais

Link

Via Portal Imprensa:

“Somente oito jornalistas devem permanecer no portal e eles terão função estratégica no novo perfil adotado pelo Terra. Esses profissionais terão um perfil multimídia, pois serão responsáveis por abastecer o site com notícias e conteúdos de parceiros. Além dos cortes, o portal anunciou o fechamento das sucursais de Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF) e Porto Alegre (RS). A equipe de jornalistas que permanecer na empresa ficará sediada em São Paulo (SP) e com uma relação maior com a redação do México, que produz conteúdo para toda América Latina.”

O Portal Imprensa entrevistou Paulo Castro, CEO do Terra, e o que ele diz à reportagem levanta pontos interessantes a respeito do modelo de negócio dos veículos digitais. “Vamos continuar tendo um portal e uma equipe de conteúdo, só que ela terá um papel muito mais de curadoria, de enriquecer a oferta de parceiros, de agências, correspondentes e terceiros e muito menos de ser um protagonista na criação de conteúdo autoral independente”.

Screenshot_21

Leia a reportagem completa no Portal Imprensa.

Veja também:

Em menos de um ano, Terra muda foco e adota novo modelo

Um relato da visita que fiz ao Terra em agosto de 2014, durante o Master em Jornalismo Digital, em São Paulo.

Veja também:

O modelo dos portais se esgotou?