Sites independentes: o propósito como âncora no modelo de negócio

Padrão


Por ALEXANDRE GONÇALVES

Já escrevi aqui no Primeiro Digital que mais do que uma linha editorial, o site Rifferama tem um propósito – dar cobertura e espalhar a música que é produzida em Santa Catarina – e essa é a proposta de valor do projeto iniciado em 2013 pelo jornalista Daniel Silva.

Nos últimos dias, isso se confirmou com três boas notícias:

A primeira: o projeto de financiamento coletivo que o Daniel Silva abriu no Catarse bateu a meta. Já são 118 assinantes, totalizando uma receita mensal de R$ 2.246,00 (números de maio).

A segunda: já são três as empresas que se tornaram apoiadoras/patrocinadoras do Rifferama, contribuindo financeiramente todos os meses com a manutenção do projeto. Parabéns, 30 Por Segundo, Habrok Music e Mini-Kalzone pela decisão de apoiar um projeto que prestar um enorme serviço para a cultura catarinense.

A terceira: na última quinta-feira (28), o propósito do Daniel expandiu seu horizonte e agora tem um conteúdo especial também no YouTube. Produzido pela 30 Por Segundo, produtora referência de Santa Catarina, com atuação também no meio musical, Playlist Rifferama é um programa de entrevistas com músicos e apresentação de lançamentos e clipes.

Assista ao primeiro episódio do Playlist Rifferama.

O que aprender com o Rifferama

Quem conhece o Daniel Silva pessoalmente ou segue ele nas redes sociais sabe da empolgação dele com a música de Santa Catarina. Isso é visível no Rifferama e por isso as boas notícias que listei acima servem de inspiração para quem, especialmente jornalistas como o Daniel, mantém ou pretende criar um produto editorial independente.

Ter um propósito coloca o site em outro nível, distante do modelo quase ilusório de manter o projeto e gerar receita com  banners e Google AdSense onde o que não faltam são perguntas sem respostas:

  • O que você entende de comercialização de banners?
  • O que você sabe sobre o mercado anunciante?
  • Quem vai vender os anúncios?
  • Quantos vendedores especializados em mídia digital você conhece?
  • Quem vai gerenciar o Google Ad Manager, definir espaços, agendar a veiculação dos anúncios e gerar relatórios para os anunciantes?

Como dá para perceber, um site independente sem propósito fica refém de um modelo de negócio que exige mais competências do que a maioria dos jornalistas domina, o que pode inviabilizar a construção de um projeto ou abreviar sua existência.

Por outro lado, com um propósito claro e escancarado, como no caso do Rifferama, cresce a chance de atrair visitantes identificados com o que o site produz a ponto de se tornarem apoiadores financeiros do projeto. Veem valor no que está sendo feito e contribuem para que o trabalho continue.

Isso vale também para a conquista de marcas apoiadoras como as três que já estão com o Rifferama. Buscam a associação com um projeto com fãs, em área de interesse das empresas, e que tem o que dizer dentro de uma linha editorial diferenciada e com foco 100% em conteúdo local.

Ponto de partida para um futuro sustentável

Já conheci outros projetos de jornalistas baseados em boas ideias e boas intenções, mas sem um modelo de negócio claro. Ou sem um modelo de negócio, simplesmente.

Ter um propósito, como o Rifferama, pode servir de âncora, como destaco no título do post, e ponto de partida para a viabilidade de um projeto independente. O começo para um futuro site sustentável com assinantes, marcas apoiadoras e outras fontes de receita.

Por isso, oferecer mais do mesmo ou seguir o caminho fácil do catadão da internet não são opções para quem quer colocar seu site independente na rua.

Pense nisso enquanto acessa oRifferama (www.rifferama.com) e ouve as playlists com curadoria do Daniel que reúnem a produção musical de Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *