Desafio pós-apuração: o que fazer com a audiência das Eleições?

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

A demora na apuração dos votos nos Estados Unidos teve lado ruim – deu brecha para todo tipo de tentativa de desacreditar o processo – mas rendeu recordes de audiência para os principais sites de notícias, como destacou a CNN dias antes do anúncio da vitória de Joe Biden.

Aqui no Brasil, a apuração dos votos das eleições para prefeitos e vereadores, no dia 15 de novembro, demorou mais do que o esperado por conta de uma decisão estratégica do TSE que gerou uma fila de dados, prejudicando a divulgação dos resultados.

Para ter ideia da “encrenca”, em Florianópolis, meia hora após o encerramento da votação, o número de seções apuradas chegou e estacionou em 77,04%. O 100% dos votos apurados só foi alcançado por volta das 22h.

Para os sites que se prepararam para a cobertura e, principalmente, para a apuração, o aumento no tráfego em dia de votação já é esperado, mas a demora na divulgação dos votos pode ter gerado um efeito nos números de acesso semelhante ao registrado pela CNN nos Estados Unidos.

Ou seja, surgiu um segundo interesse, além de saber quem venceu: o motivo da demora em mostrar o resultado final. Quem entendeu o cenário e manteve os leitores informados certamente angariou mais alguns números para sua audiência.

E depois da apuração dos votos?

Os sites de cidades onde haverá segundo turno tem a chance de manter a editoria Eleições 2020 aquecida até o próximo dia 29 de novembro. Com dois candidatos na disputa fica mais fácil a cobertura e a oferta de conteúdos relevantes sobre o que eles pensam e planejam para a cidade que desejam governar.

Nesse caso, a audiência de domingo, caracterizada pelo alto número de page views e pelo pico de acessos simultâneos, pode ser uma meta, mas também um indicador para uma estratégia editorial.

Por exemplo, ajuda a medir o que funcionou e o que não funcionou na cobertura. Pode ter havido um grande esforço na produção de um tipo de conteúdo, mas o que deu resultado junto ao público foi um factual de três parágrafos e uma foto de rede social.

Já para os sites que não terão o segundo turno pela frente, resta o desafio que sempre surge após a cobertura de um evento excepcional: de que forma segurar os números de audiência do site lá em cima ou, ao menos, maiores que os alcançados em dias comuns? 

Pode começar, entre outras ações estratégicas, indo além da festa pelos milhares (milhões?) de page views e pensando em formas de fidelizar os “visitantes incidentais”, bem como oferecer um cardápio mais amplo de conteúdos para que a visita seja aprofundada – e demorada tanto quanto a apuração nos Estados Unidos, de preferência…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *