O interesse pelo tempo real morreu?

Padrão

por ALEXANDRE GONÇALVES

A transmissão dos desfiles das Escolas de Samba de São Paulo e do Rio de Janeiro pela Rede Globo revelou que no fim das contas o que menos importa é…o desfile das Escolas de Samba. Vale mesmo é o entretenimento, as intervenções engraçadinhas dos repórteres e a guerra de confetes no chamado Estúdio Globeleza.

O acompanhamento em tempo real, ao vivo, minuto a minuto, ficou em segundo plano na Globo. Em praticamente todas os desfiles, a largada das escolas foi mostrada em VT com o corte para o vivo quando alas e alegorias já ocupavam quase metade da pista.

Ao que parece, o formato deu resultado em termos de audiência e faz pensar: o interesse pelo tempo real morreu? O público quer mesmo uma transmissão nesse estilo que lembra muito a histeria da rede social com muita gente falando ao mesmo tempo e sem muita objetividade? 

E o engraçado é a turma em casa twittando freneticamente sobre o desempenho das escolas que praticamente não viram passar. 

E no caso dos sites que fizeram minuto a minuto, importante avaliar se este não é um esforço em vão. A escolha poderia ser de produzir reportagens mais elaboradas sobre os desfiles. Ou pelo menos usar uma plataforma de cobertura recheada de recursos, incluindo os de interatividade.

Reprodução TV Globo

Carro da Portela que usou Jack Black como modelo para destacar as aventuras de Guliver.

Leia também:

Cada vez mais o controle está nas mãos do público

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *